sexta-feira, 23 de abril de 2010

São Jorge era gay?

São Jorge, como diria o Mott, era gay?
 
 
 por Deco Ribeiro
 
São Jorge é um santo muito cultuado pelos gays. Há inclusive Paradas Gay acontecendo hoje na Inglaterra, no dia do santo. Por quê? Teria ele algo de homoerótico?
 
Segundo alguns, sim.
 
O historiador gay e católico Paul Halsall afirma que tanto a iconografia quanto os textos sobre o santo sugerem forte influência da homossexualidade. Ele diz que a hagiografia (textos que apresentam os santos) de São Jorge o mostra como alguém que ia se casar, mas foi impedido por Cristo e, depois de suas várias aventuras, é recebido por Jesus no céu como seu "noivo".
 
Detalhe que sempre Jesus é o noivo nesses louvores católicos (todo mundo é "noiva de Jesus"). Mas, nesse caso, Cristo se apresenta como noiva de São Jorge.
 
Nas imagens, São Jorge também sempre é mostrado sem barba, meio feminino, andrógino até, em roupas exuberantes etc. Sem falar na relação com a Lua, um símbolo feminino desde tempos imemoriais, que raramente acompanha os guerreiros (mais identificados com o sol).
 
O artigo completo do historiador vc pode ler aqui: http://englisheclec tic.blogspot. com/2009/ 04/st-george- gay-saint. html (em inglês).
 
E, por outro lado, no sincretismo religioso brasileiro, São Jorge é OGUM, certo? Orixá machão e coisa e tal. Mas existe feminilidade em Ogum:
 
"Uma das varias manifestações de Ogum [é] Ogum Yara. Esse orixá além de não ser só uma manifestação masculina ele tem a perfeita junção com a parte feminina da natureza e protege muito mais as mulheres, sendo que essa proteção se estende também aos gays e lésbicas. Sem esse tempero, o resultado é desequilíbrio. Mas como eu disse, ele se dá dentro da própria manifestação personificada do orixá. Os mitos africanos, ao mostrarem um Ogum guerreiro, violento, destruidor e, ao mesmo tempo, incapaz de compreender a alma feminina (ele perde, sucessivamente, suas esposas para Xangô), não estão falando verdadeiramente do orixá, mas de sua manifestação imperfeita e desequilibrada no próprio ser humano. E possivelmente uma das encarnações mal sucedidas do Ancestral desse orixá. Na medida em que as qualidades precisam ser integradas e harmonizadas, os conflitos míticos entre os orixás dramatizam exatamente a luta por essa integração interior, na busca da totalidade psíquica.
O Ogum do sincretismo afro-brasileiro, que trabalha harmoniosamente associado a Oxum e Iemanjá, como demonstram os pontos, já expressa, pois, uma concepção mais integrativa do que àquela presente nas lendas iorubanas. Mas para á Umbanda-Astroló gica ainda não traduz a verdade por inteiro, pois para expressar o lado feminino não há necessidade de integração com orixás femininos, mas simplesmente revelar o lado feminino que há dentro do próprio orixá. Alias em todos os orixás."http://blogs. abril.com. br/umbandaastrol ogica/2009/ 05/feminino- masculino- em-ogum-nos- orixas-03. html
 
Ou seja, São Sebastião ganhou um concorrente à altura! Salve Jorge!!

Um comentário:

Jose Marcio Tavares disse...

Aquele bigodinho nunca me enganou. Georgina, a Louca da Capadócia.

Ocorreu um erro neste gadget