terça-feira, 23 de novembro de 2010

Por que os gays mandam no pop?

Scissor Sisters: fama mundial devido ao sucesso com as gay

A revista Época dessa semana publicou um artigo bem bonitinho sobre a influência dos gays na música pop. Depois de tanta notícia ruim na imprensa, de homofobia e talz, é bom ter a auto-estima massageada... =D

Trecho do artigo: "Eles ouviam Lady Gaga muitos antes de "Bad romance", sabem de cor a letra do próximo hit de Katy Perry e já escutaram as músicas que devem conquistar as pistas de dança em 2011. Não é que prevejam o futuro. Eles fazem com que o futuro aconteça. Nos últimos anos, quase todos os grandes sucessos da música pop foram aprovados primeiro por frequentadores de festas destinadas ao público gay. A consagração do cantor Mika e da banda Scissor Sisters confirma essa vocação: os gays são os profetas do pop." 

Tááá, meu bein!! =D

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

O que vai ser quando crescer?


FERNANDO DE BARROS E SILVA



O que vai ser quando crescer?
(publicado na Folha de S.Paulo, 16/11/2010)


SÃO PAULO - O grupo de jovens que agrediu pelo menos três rapazes por volta das 6h30 de anteontem, na avenida Paulista, estuda num colégio particular. Menos de 15% dos adolescentes nessa faixa etária frequentam escolas privadas em São Paulo; o resto está na escola pública ou fora da escola.


Além disso, desde o primeiro instante os agressores contaram com a proteção de pelo menos um advogado. É, em tese, um direito de todos, embora, na prática, seja mais um indicador de privilégio social.


Os jovens já estão em casa. Foram liberados ontem -quatro deles, entre 16 e 17 anos, da Fundação Casa; Jonathan Lauton Domingues, 19, o único universitário, de um centro de detenção provisório.


Não sei se deveriam permanecer detidos. Mas seria bom que não ficassem impunes. É possível, porém, que a maior punição seja a repercussão pública do caso, com os constrangimentos, para os jovens e familiares, daí decorrentes.


Não se pode compactuar com o linchamento sumário dos agressores, não há dúvida; mas também não é possível tolerar ou ser conivente com esse tipo de delinquência juvenil. As vítimas, talvez não seja demais lembrar, são os que foram espancados covardemente.


Há fortes indicações de que os garotos agiram movidos por homofobia. Isso apesar dos esforços do advogado -que está ali para reduzir danos dos clientes e não para dizer a verdade- para caracterizar o episódio como mera "confusão".


Quase todos já fizemos porcaria quando jovens. É a fase da explosão hormonal e da vitalidade física, dos exageros e da insensatez, dos impulsos para desafiar o perigo, das transgressões e dos ritos de afirmação diante dos (e com os) colegas.


Mas a juventude também é o período em que fixamos os valores que vão nos servir de norte na vida adulta. O que pretendem ser quando crescer os meninos bem nascidos que se divertiam distribuindo pauladas em inocentes em plena Paulista no feriadão escolar?

sábado, 13 de novembro de 2010

Carta de uma leitora

  
Publicada em 13/11/2010
no jornal Correio Popular
Campinas/SP

Escola gay
Cidinha Bernardo
Dona de casa, Campinas

As depredações que estão acontecendo nesta escola são uma falta de educação e respeito com as pessoas que lá estudam. As pessoas têm que aprender e se conscientizar que somos livres e que temos o direito de escolha, seja ela qual for. Pessoas que agem dessa maneira não têm o que fazer (…). Espero que esses indivíduos sejam descobertos e que sejam obrigados a fazer serviços voluntários, pois existem muitas instituições que precisam. (...)

Fofo, né? AHAZÔ, Cidinha! Obrigado! =D

quarta-feira, 10 de novembro de 2010

Escola gay pretende instalar câmeras para evitar ataques

Publicada em 10/11/2010
no jornal Correio Popular, de Campinas (SP)

Cidades
Escola gay pretende instalar câmeras para evitar ataques

CHESLLER MOREIRA, presidente da Escola Jovem LGBT,
mostra os restos de uma garrafa jogada contra a porta de vidro da escola


Depois do segundo ataque em menos de um mês, a Escola Jovem LGBT (Lésbicas, Gays, Bissexuais e Transsexuais), de Campinas, pretende instalar câmeras na instituição para inibir as ações criminosas. O último ataque ocorreu na noite de segunda-feira, quando uma pessoa não identificada jogou uma garrafa de Cidra contra uma porta de vidro. Em outubro, a instituição foi vítima de apedrejamento. Não houve feridos em nenhum dos casos.

Segundo o presidente e idealizador da Escola Jovem de Campinas, Chesller Moreira, os ataques têm ligação direta com homofobia. “Com certeza, foi esse o motivo. Nunca tivemos problemas com a vizinhança, mas a E-Jovem traz algumas questões que de certa forma ‘ferem’ a moral e os bons costumes de algumas pessoas”, afirma. Os coordenadores da instituição vão registrar um boletim de ocorrência e pretendem instalar câmeras no local. “É um dinheiro que vai sair do nosso bolso, mas que vai ajudar a identificar os autores”, disse. A escola também pretende realizar trabalhos de conscientização sobre homofobia. “Temos a intenção de realizar uma palestra sobre homofobia em uma escola vizinha. Esse episódio me deu mais ânimo para promover ações de conscientização”, disse.

Para Paulo Reis, coordenador de políticas para diversidade sexual da Prefeitura de Campinas, os ataques são fruto da intolerância contra a população LGBT. “É sabido que essa população faz parte de um grupo muito vulnerável”, afirma. Reis orienta que o grupo ou a pessoa que for vítima de violência deve registrar um boletim de ocorrência e procurar o Centro de Referência LGBT para que o caso seja acompanhado. “O nosso objetivo é não deixar que o caso fique sem solução”. (AAN)



terça-feira, 9 de novembro de 2010

Escola gay sofre ataque em Campinas

Resquícios da violência: homofobia?

A Escola Jovem LGBT de Campinas, SP, foi alvo de violência nesta segunda, 08, por volta das 22h. Uma garrafa foi atirada contra a escola. Ninguém foi atingido, felizmente, mas cacos de vidro cobriram as escadas e parte do pátio.

Não foi a primeira vez. Pedras, também jogadas durante a noite, atingiram uma das portas de vidro, trincando um dos painéis.

Homofobia? Para Lohren Beauty, presidente do E-jovem e uma das coordenadoras do Ponto de Cultura, sem sombra de dúvida. "Algumas pessoas têm medo do que é diferente. E, por se tratar de um bairro residencial, talvez isso ameace ainda mais esse tipo de homofóbico," desabafa.

Para o diretor da Escola, Deco Ribeiro, a homofobia é certamente um fator importante - mas não só. "Isso tem cara de molecagem," explica. "Preconceito, sim, mas menos fruto de ódio e mais como auto-afirmação juvenil, o famoso bullying." O horário dos ataques coincide com o horário de saída das aulas de um colégio próximo, que tem aulas noturnas.

Mas providências serão tomadas. A Escola estuda a instalação de câmeras de vigilância e um maior trabalho de conscientização junto aos estudantes do bairro. "É o preço da visibilidade," constata o diretor.

Campinas já foi palco de graves crimes homofóbicos este ano, como a agressão ao jovem Johnatan e o brutal assassinato da travesti Camille. No Brasil, a homofobia mata quase 200 homossexuais e travestis por ano.

terça-feira, 2 de novembro de 2010

Eu sou gay! E você??

Vlog muito legal do omeninovelho, onde ele se declara gay e explica POR QUÊ fez isso e POR QUÊ todo mundo deveria fazer isso:

Depois de Dilma...

...quem será a próxima "mulher" a ocupar a Casa Branca?
Hein, hein?? =D

segunda-feira, 1 de novembro de 2010

Ocorreu um erro neste gadget