sexta-feira, 21 de maio de 2010

Gays levam alegria à marcha contra o preconceito

 
E-jovens na Marcha: juventude LGBT marcando presença

Aconteceu. Debaixo de sol escaldante, uma multidão de mais de 2 mil LGBT (relatos chegam a 10 mil), de todas as regiõs do país, ocupou pacificamente a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, nessa quarta-feira. Uma multidão de cores, que exigia pleno reconhecimento por parte dos Poderes da Nação. Principalmente do Legislativo, alvo de forte cobrança e que foi até vaiado pelos presentes.

Um dos projetos prioritários do movimento é a aprovação do PLC 122, que criminaliza a homofobia. Já aprovado na Câmara, o projeto aguarda decisão do Senado. "Com a homofobia sendo crime, os homossexuais serão mais livres para ser o que são, sem precisar usar máscaras", explicou o mascarado Diaz Dragones, 24, que saiu de Cuiabá (MT) para Campinas (SP) fugindo do preconceito.

Diaz Dragones: sonho de viver sem máscaras

"O Executivo já deu a partida em mais de uma dezena de ações de combate à homofobia, baseado no Plano Nacional LGBT. Até o Judiciário já conta com pelo menos meia dúzia de decisões favoráveis à comunidade. E do congresso, até agora, nada," explica a drag queen Lohren Beauty, presidente do Grupo E-jovem e militante da União da Juventude Socialista (UJS). "O presidente não pode fazer tudo sozinho, é preciso que os deputados e senadores nos reprsentem como foram eleitos para f zer!", exige a drag, que também é Conselheira da Presidência da República e chama Lula de "meu amigo íntimo e pesoal".
 
Dep. Manuela d'Ávila e Lohren Beauty:
lideranças do PCdoB na luta contra a homofobia

A deputada Manuela d'Ávila (PCdoB/RS), presidente da Frente Parlamentar em Defesa da cidadania LGBT, lembrou que não existem "dois Brasis, um com direitos e outro sem". Para ela o caminho do desenvolvimento passa pelo reconhecimento pleno dos direitos de todos os brasileiros. "Parabéns, vocês coloriram Brasília", destacou a parlamentar gaúcha.

E colorir foi a palavra exata. Apesar da tentativa de algumas lideranças do movimento de banir o arco-íris em prol apenas do preto (chegaram a querer proibir a participação de drags na Marcha), os manifestantes que viajaram 10, 20, 50 horas compareceram para dar o seu recado SIM, mas sem abrir mão de suas identidades.

"O arco-íris é o único símbolo que une todas as letrinhas", defendeu Leandro Ochialini, 20, professor de dança da Escola Jovem LGBT, referindo-se justamente à sigla de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros. "Estamos de luto sim, pela morte de nossos irmãos e irmãs, mas aqui é um momento de luta e nossa luta é colorida!", completa. 

Leandro Ochialini (centro): "Nossa luta é colorida!"

Juventude presente!
Várias caravanas do Grupo E-jovem estiveram presentes na Marcha. Fora os adolescentes e jovens da própria Capital Federal, E-jovens do Rio de Janeiro, de Cuiabá e de Uberlândia se cruzaram em Brasília. Só do estado de SP, E-jovens de cinco cidades (Guarujá, Santos, São Paulo, Sorocaba e Campinas)lotaram um ônibus organizado pelo Fórum Paulista da Juventude LGBT para também dar seu recado.

"Queremos criminalizar a homofobia SIM, queremos a união civil SIM, queremos ser respeitados pelas igrejas SIM - mas também queremos que a juventude LGBT seja ouvida e respeitada, tanto dentro quanto fora do movimento" resume a travesti Bruna Eduarda, 19, também professora de dança da Escola Jovem LGBT e representante das travestis adolescentes do Grupo E-jovem. "Não somos apenas rostinhos e corpinhos bonitos."

Bruna (centro) e jovens drag queens: "mais que rostinhos bonitos"

Como disse em outro post, passou a Marcha é mão na massa! Que nossos representantes se preparem agora para nos ouvir. A comunidade gay agora está falando - e essa garotada tem muito a dizer!!

Um comentário:

Endim Mawess disse...

que luxo pena que não deu pra eu ir.

Ocorreu um erro neste gadget